Paróquia Nossa Senhora da Conceição - Porto Alegre, RS

Av. Independência, 230 - Centro - 90035-070 - Porto Alegre - RS

(51) 3224-0622

igrejaconceicao@igrejaconceicao.org.br

Iniciação a Vida Cristã

Conhecer a Jesus é o maior presente que poderíamos receber, torna-lo conhecido e amado é a causa da nossa alegria e nosso objetivo de vida, nos afirmaram nossos bispos, com o papa Bento XVI, na Conferência de Aparecida. Assim, toda a nossa vida pastoral gira em torno deste objetivo: tornar Jesus conhecido e amado e revelar as pessoas que elas podem se encontrar com Ele e ter suas vidas resignificadas.

Ao processo de encontro e seguimento de Jesus Cristo chamamos de Iniciação à Vida Cristã. Venha conhecer!

Especificamente, esta é, em geral, a primeira catequese que a criança frequenta. Deve ser uma verdadeira iniciação, no sentido de acolhida, de expressar a alegria de pertencer à Igreja e de não discriminar a situação na qual se encontra cada catequizando. Todos são bem-vindos. Alguns chegarão com maior vivência e conhecimento do cristianismo, outros quase nada saberão. Seja o catequista muito paciente ao perceber que vários ainda precisam conhecer os elementos fundamentais da fé. Não se deve considerar nada como pressuposto, pois, atualmente, poucas famílias iniciam suas crianças na fé.

O querigma para essas crianças depende muito da postura do catequista que testemunha, sobretudo com atitudes e gestos, a alegria de seguir Jesus e a pertença eclesial. A criança precisa conhecer pessoas que expressem a beleza de seguir Jesus Cristo. Ela, assim, será estimulada a procurar Jesus e a se interessar em saber mais sobre  a vida do Salvador.

Aqui é preciso ensinar o sinal da cruz, as orações Pai-nosso, Ave-Maria  e Creio (embora o Creio será aprofundado na Eucaristia 2). As crianças  aprendem a encontrar os textos na Bíblia e a ler a Sagrada Escritura como fonte de vida. Tudo é novo, requer cuidado e respeito à caminhada de cada criança, bem como ajuda através do atendimento personalizado.

Todos os encontros destacam o Batismo, pois a criança já recebeu este sacramento. Agora ela vai conhecer o que significa ser filha de Deus, membro da Igreja de Cristo, viver em uma família cristã.

Recorde-se o catequista que esta etapa inicia com  a catequese sobre a criação de Deus, como  sugere Santo Agostinho.  Em seguida, aborda a situação de pecado que entrou no mundo e a renovação da aliança com Noé. Segue para o Novo Testamento para apresentar Maria, o nascimento de Jesus, sua vida pública, sua morte e ressurreição. O caminho é feito gradual e progressivamente, à medida que os encontros se desenvolvem. Ao se abordar do episódio dos discípulos de Emaús, inicia-se uma nova fase do caminho: “explicar as Escrituras”, como Jesus fez. Volta-se ao Antigo Testamento, desde Abraão até os profetas, culminando na vinda do Messias. Os encontros sobre o Antigo Testamento têm como meta mostrar que Jesus é a plenitude da revelação de Deus.

A fé cristã é trinitária. No percurso da catequese, reflete-se sobre as três pessoas da Trindade. Nesta etapa, o destaque é dado a Deus Pai.

Para poder apresentar bem cada parte do texto bíblico, sugere-se que o catequista leia antecipadamente os capítulos bíblicos referentes a cada encontro. Algumas vezes, é preciso ler vários capítulos para entender o sentido daquela parte da História da Salvação. Evite-se, porém, apresentar para as crianças situações conflitantes e de difícil compreensão para a nossa cultura. O foco é mostrar como tudo converge para Cristo. Quando crescer, a criança poderá conhecer outros desdobramentos destes textos, no entanto a essência da revelação é dada agora. Perceba o catequista que foram escolhidos textos narrativos, que contam uma história, com personagens e ações que merecem atenção. O estilo narrativo é o mais adequado para as crianças memorizarem os conteúdos da fé cristã.

Nessa etapa da formação, realiza-se a entrega da Bíblia – Palavra de Deus, do Pai-nosso, do Terço, da Lei ( os dez mandamentos). Como celebração conclusiva do ano, renovam-se as promessas do Batismo. Caso existam crianças não batizadas na catequese, a ocasião mais  adequada para serem batizadas é a celebração de conclusão do ano, quando seus colegas renovarão as promessas batismais.  Observe-se que, conforme o planejamento proposto por este texto-base, as celebrações seguem imediatamente os encontros que tratam de temas semelhantes ao que nelas será celebrado. Cuide-se para que os catequizandos sejam preparados anteriormente, a fim de bem entenderem o sentido do momento celebrativo.

Características  Gerais

a. A iniciação eucarística é realizada em duas etapas, em dois anos consecutivos ( de março a novembro).

b. Crianças com 9 anos (completos no ato da inscrição) participam da etapa da Eucaristia 1. As crianças que completarem esta etapa seguem para a etapa de Eucaristia 2.

c. Crianças que iniciam a catequese com mais de 12 anos devem ter atendimento específico (montar turmas com catequizandos da mesma idade ou idade aproximada) e até mesmo personalizado.

d. Cada etapa terá aproximadamente 28 encontros, em função dos feriadões, neste ano de 2018 alguns encontros serão suprimidos.

e. Os encontros de catequese estão propostos para terem a duração de uma hora e trinta minutos. Os encontros são semanais e se preveem algumas semanas de férias em julho, de acordo com o calendário. Caso o catequizando falte um encontro deverá recupera-lo com um acréscimo ou adiantamento de 30 minutos no encontro seguinte, a ser combinado com a catequista. No entanto, se ele faltar mais de três vezes ao longo de um ano de catequese será convidado a parar o processo e recomeçar no ano seguinte.

f. A metodologia consiste da Leitura Orante da Palavra de Deus, por facilitar ao catequizando o encontro com Jesus Cristo. O método é de inspiração catecumenal, integrando catequese, liturgia, conversão de vida e inserção na comunidade eclesial.

g. Durante o ano catequético, crianças e familiares serão convidados a participarem de celebrações na comunidade. As celebrações são parte indispensável do processo catequético. Caso um catequizando falte uma dessas celebrações será notificado e na segunda incidência será convidado a parar o processo e recomeçar no ano seguinte. Seja a família esclarecida no ato da assinatura do termo de compromisso.

h. São propostos, em cada etapa, no mínimo, dois encontros com os familiares, durante  Eles são coordenados pelo catequista, têm a participação dos catequizandos e neles se adota a mesma metodologia dos encontros de catequese. O objetivo é aproximar  toda a família da comunidade paroquial.

Os catequizandos desta etapa já passaram por duas etapas anteriores, referentes à Eucaristia. Trata-se, agora, de avançar ainda mais no seguimento de Jesus em sua Igreja. É preciso mostrar que o cristão vive em todas as realidades deste mundo, mas com uma postura diferente. Nessa fase, é preciso mostrar com clareza que a vida cristã supõe decisões como a de valorizar a vida desde seu início até seu fim natural. Nós respeitamos todas as pessoas, mas o matrimônio e o valor da família são fundamentais para o católico.   Por causa de Jesus Cristo, o católico tem opiniões, posições e posturas que nem sempre estão “na moda”, por exemplo, amar o inimigo, cuidar dos doentes e pobres com amor especial, valorizar a criação que Deus fez.  Há também práticas concretas que precisam ser informadas sem receio: o cristão santifica o domingo com a missa; reza antes das refeições; encontra, na comunidade Igreja, uma verdadeira família. Mais do que saberes, estes são posicionamentos de vida.  Isso é que se expressa como o seguimento de Jesus.

Nesta etapa, não predominam os textos bíblicos narrativos, pois preferiram-se os textos das  cartas paulinas que trazem inspiração sobre o modo de ser cristão.

Nesta fase, o adolescente é convidado a participar mais da vida paroquial. Por isso, algumas celebrações serão realizadas com a comunidade de forma bem integrada, por exemplo, a da Via-Sacra da Cruz e a da Via-Sacra da Ressurreição.

O catequista garanta que membros das diversas pastorais sejam convidados para estas celebrações e delas participem. Prepare-se os líderes da paróquia para  acolherem bem os catequizandos e seus familiares.  A participação na missa dominical precisa se tornar mais intensa, pois a catequese deve provocar mudança na vida do catequizando. Nem sempre é fácil seguir esse caminho, mas é importante que o catequista se empenhe para que seus catequizandos participem da missa dominical. Não esqueçamos que a homilia dominical pode se tornar uma excelente e  permanente catequese.

Características Gerais

a) A catequese crismal é realizada em duas etapas, em dois anos consecutivos (aproximadamente de março a novembro).

b) Os catequizandos que completaram a etapa da Eucaristia 2 iniciam, no ano seguinte, a etapa de Crisma 1 . Ao concluí-la, participam, no ano seguinte, da etapa de Crisma 2.

c) Percorridos os dois anos de catequese, os catequizandos receberão a Crisma com, aproximadamente, 12 anos de idade.

d) Adolescentes que iniciam a catequese de Crisma com mais de 14 anos devem ter atendimento específico e mesmo personalizado. Conforme decisão em assembleia do Clero no ano de 2016 decidiu-se que jovens com mais de 18 anos, inclusive, seriam convidados a percorrer o itinerário dos Adultos. No entanto, um adolescente de 16, sob discernimento do pároco, também poderia ser conduzido para o caminho dos Adultos.

e) Cada etapa é, geralmente, constituída por 28 encontros de catequese. No entanto, em 2018, devido aos feriadões, abreviou-se o número de encontros, como indicado no calendário do texto-base.

f) Os encontros de catequese têm, geralmente, duração de uma hora e trinta minutos.

g) Os encontros são semanais, estando previstas algumas semanas de férias em julho. Caso o crismando falte um encontro deverá recupera-lo com um acréscimo ou adiantamento de 30 minutos no encontro seguinte, a ser combinado com a catequista. No entanto, se ele faltar mais de três vezes ao longo de um ano de catequese será convidado a parar o processo e recomeçar no ano seguinte.

i) A metodologia segue a Leitura Orante da Palavra de Deus, que possibilita o encontro com Jesus Cristo. Este método de inspiração catecumenal integra catequese, liturgia e conversão de vida para a caridade.

k) Durante o ano catequético, adolescentes, padrinhos de crisma e familiares serão convidados a participarem de celebrações na comunidade. Essas celebrações são parte imprescindíveis do processo iniciático. Caso um crismando falte uma dessas celebrações será notificado e na segunda incidência será convidado a parar o processo e recomeçar no ano seguinte. Seja a família esclarecida no ato de assinatura do termo de compromisso.

l) Serão propostos, durante o ano, encontros da turma com os familiares. Eles serão coordenados pelo catequista, utilizando a mesma metodologia dos encontros de catequese.

A meta desta etapa de catequese é aprofundar a fé do adulto levando-o a conhecer Jesus Cristo, para mudar seu estilo de vida de acordo com o Evangelho e ser inserido   na comunidade Igreja e estimular a prática da caridade e a transformação da sociedade.

O caminho inicia tratando de elementos básicos da fé das pessoas e do lugar de Jesus Cristo na vida do catequizando. O querigma se realiza basicamente pelo testemunho do catequista. Aos poucos, os temas da fé, especialmente os artigos do Creio, vão sendo desenvolvidos ao longo dos encontros.  Os encontros estão dispostos de tal modo, que de maneira adaptada, se vai perpassando as etapas do pré-catecumenato, catecumenato, purificação-iluminação, mistagogia, previstas no RICA.

Intercalam-se celebrações nas quais os adultos recebem a oração da comunidade que lhes acompanha nesse caminho.  Seria muito estranho que adultos  participassem da catequese e não frequentassem a comunidade semanalmente, especialmente a missa de final de semana. Nessa fase da catequese, os sacramentos são oferecidos para quem tem fé, decidiu-se por Jesus Cristo e mudou seu estilo de vida. Mesmo que não se possa mudar tudo de uma vez, seria incoerência da comunidade oferecer sacramentos para adultos que não estão na comunidade Igreja. Precisamos evitar a mentalidade de um cristianismo sem Igreja.

Características  Gerais

a. Na catequese para realizar ou completar a iniciação à vida cristã com adultos, considere-se a idade mínima de 18 anos.

b. Pretende-se inserir o adulto na comunidade para ser discípulo de Jesus Cristo;

c. A metodologia segue a Leitura Orante da Palavra de Deus e o método de inspiração catecumenal, adaptando-se o itinerário e as propostas do Ritual de Iniciação Cristã de Adultos (RICA).

d. São realizados cerca de 26 encontros semanais, de uma hora e meia cada um;

e. Os catequistas de adultos devem ser pessoas bem integradas na vida paroquial.

f. Sugerimos um Cronograma, mas a qualquer momento do ano pode-se começar uma nova turma de catequese de adultos, desde que siga o percurso dos 26 encontros com as celebrações. Apenas se teria que fazer uma adaptação nas datas do calendário.

NewsletterFique por dentro das novidades

X